Categorias
Acontece Economia Notícias Tendências

Vendas do varejo tiveram desempenho positivo em fevereiro

Vendas do varejo tiveram desempenho positivo em fevereiro, período
anterior ao de recrudescimento da pandemia. As vendas do comércio varejista cresceram 0,6% na passagem de janeiro para fevereiro, conforme divulgado ontem pelo IBGE. O resultado, que ficou abaixo do esperado (1,3%), equivale a uma queda de 2,1% na comparação interanual. Dentre as aberturas, destaque positivo para o desempenho das vendas de móveis e eletrodomésticos, após queda acentuada em janeiro. Avaliamos que os impactos negativos da piora da pandemia e dos consequentes fechamentos deverão se refletir nas leituras de
março e abril, conforme indicadores antecedentes sugerem. Contudo, o
crescimento deve ser retomado nos meses seguintes, condicionado a progressos na vacinação e aumento da mobilidade.

Fonte: Bradesco – DEPEC

Categorias
Acontece Notícias Tendências

Mercado de trabalho formal seguia em recuperação no início deste ano,

Mercado de trabalho formal seguia em recuperação no início deste ano,
mas devemos observar uma perda de tração no curto prazo, com a piora da pandemia. Segundo os dados do Caged, houve geração líquida de 402 mil vagas de emprego formal em fevereiro, acima das expectativas. Todos os setores contribuíram positivamente para o resultado, com destaque para serviços. Na série dessazonalizada, foram geradas 332 mil vagas, levando a média móvel trimestral de 336 mil para 324 mil vagas criadas. Para março e abril, o agravamento da pandemia e as consequentes medidas de restrição à atividade
econômica, conforme sugerido pelos indicadores de confiança e mobilidade, devem se traduzir em um menor ritmo de geração de vagas.

Fonte: Bradesco – DEPEC

Categorias
Acontece Economia Notícias

PRORROGAÇÃO SIMPLES NACIONAL

A Alshop divulga a prorrogação do Simples Nacional aos micro e pequenos empresários, pois tal comunicação será veiculada no Diário Oficial de amanhã.

Os vencimentos de abril, maio e junho foram adiados para outubro, novembro e dezembro, respectivamente e serão pagos da seguinte forma:

✅ VENCIMENTO em 04/2021

PAGAMENTO
50% em 07/2021
50% em 08/2021

✅ VENCIMENTO em 05/2021

PAGAMENTO
50% em 09/2021
50% em 10/2021

✅ VENCIMENTO em 06/2021

PAGAMENTO
50% em 11/2021
50% em 12/2021

Dessa forma, em razão do momento econômico atual, os associados da Alshop que se enquadram no Simples Nacional terão prazo maior para quitar o referido imposto.

ALSHOP – Associação Brasileira de Lojistas de Shopping

Categorias
Acontece Economia Notícias Tendências

ALSHOP participa de debate com o Santander comentando sobre a crise econômica e o fechamento do setor

O presidente da ALSHOP, Nabil Sahyoun, participou ontem de um DEBATE VIRTUAL realizado pelo SANTANDER e respondeu questões relacionadas ao segmento, além de sanar as dúvidas dos participantes. No debate, o presidente da associação foi questionado sobre a saúde financeira dos varejistas de shoppings centers, iniciativas de omnicanalidade, aluguéis e as formas de cobrança, e ainda comentou sobre sua expectativa em relação à retomada da economia com a aceleração das reformas.

“No Brasil temos 601 shoppings e 110 mil lojistas que compõem esse universo. Com a crise econômica causada pelo COVID-19 tivemos o fechamento do comércio e as restrições que causaram inúmeras perdas como a queda de 30% do fluxo de circulação de pessoas em todos os empreendimentos e a queda de 32% no faturamento. E quem mais sofreu foram os pequenos lojistas que desempregaram muito.”, comentou Nabil Sahyoun, presidente da ALSHOP.

O presidente ainda ressalta que, em 2020 quando os shoppings reabriram depois de 100 dias de fechamento, a movimentação de clientes dentro das pequenas lojas era de 40%, 60% para médias e de 75% a 80% para as lojas âncoras, e somente lojas que trabalhavam com os e-commerces conseguiram respirar.

“Nossa economia é muito forte, mas precisamos de condições para se reerguer e o Governo não está ajudando muito com os impostos, mas estamos em diálogo constante com as autoridades públicas para tentar mudar isso e trazer um respiro para o lojista afetado.”, ressalta.

Além do diálogo constante que a ALSHOP tem com as autoridades públicas para discutir novas medidas que ajudem o setor, essa parceria também existe com a ABRASCE (Associação Brasileira de Shoppings Centers). Um assunto que repercutiu bastante no debate foi a questão dos aluguéis e a forma que os empreendimentos estão dialogando com os lojistas.

“Está havendo diálogo e negociação, mas tenho observado que em shoppings ainda não consolidados é mais frequente essa negociação, de abrir mão do aluguel neste momento e tentar negociar mais para frente. Por outro lado, nos shoppings consolidados também existe uma negociação, mas eles acabam olhando mais para o lado do negócio do que para os lojistas.”

Perguntado sobre as linhas digitais e como os lojistas estão lidando com as plataformas de compras online, o presidente da ALSHOP comenta que os pequenos lojistas aceleraram esse processo e muitos com o apoio dos empreendimentos, mas ressalta que jamais o e-commerce vai substituir as lojas físicas, e que ambos precisam andar juntos. “A realidade está cada vez mais presente, e a pandemia acelerou esse processo da tecnologia. Ou você participa do digital ou não vai conseguir sobreviver, neste momento de comércio fechado essa será a válvula de escape principalmente para os pequenos.” comenta, Sahyoun.

Para Nabil, a retomada das compras será de forma moderada, mas a expectativa é ter um movimento de razoável para bom neste primeiro momento, de acordo com uma pesquisa de amostragem que a associação fez no último mês. “Sou otimista e sei que vamos recuperar o tempo perdido e o consumo vai voltar a acontecer. Acredito que com a retomada da economia e a aceleração das reformas, as coisas vão mudando e podemos retomar a economia nos próximos meses.” finaliza Nabil Sahyoun, presidente da ALSHOP.

Categorias
Acontece Dicas Notícias

ALSHOP ORIENTA SEUS ASSOCIADOS A SEGUIREM O PROTOCOLO DE TESTAGEM DO GOVERNO DE SÃO PAULO

O Governo do Estado de São Paulo disponibilizou essa semana um documento com o objetivo de orientar os empresários quanto à prevenção e monitoramento das condições de saúde de seus funcionários.

 

Sempre atenta às melhores práticas, a ALSHOP compartilha esse protocolo em todos os seus meios, para garantir o amplo conhecimento a respeito das ações recomendadas para realizar a prevenção, triagem de funcionários na entrada dos postos de trabalho, testagem, bem como ações de contenção a serem tomadas no caso de identificação de casos positivos para COVID-19.

 

Acesse o documento, clicando no link: https://bityli.com/E4mmB

 

Desde a primeira reabertura dos shoppings todos os lojistas vêm seguindo os protocolos de segurança criados pela Abrasce, e isso fez com que os centros de compras fossem considerados um dos ambientes mais seguros para a circulação de pessoas. Lembrem-se de continuar seguindo todos os protocolos quando voltarmos às atividades, pois isso garante a segurança de todos os envolvidos no universo dos shopping centers.

 

Vamos nos unir para vencer esse desafio e mostrar que o setor de comércio e serviços é resiliente e um dos mais fortes do país!

Categorias
Acontece Economia Notícias Tendências

Copom deve iniciar hoje ciclo de normalização de juros, com alta da Selic de 0,50 ponto percentual

Com as surpresas altistas e a rápida elevação das expectativas de inflação para este ano, o Banco Central deve agir na reunião de hoje. A nosso ver, essa decisão deverá ocorrer com base na leitura de uma desaceleração temporária da atividade econômica, por conta
do agravamento da pandemia, mas de retomada mais evidente à frente. As atenções estarão voltadas não somente à decisão, mas também ao comunicado que será divulgado, diante de possíveis sinais sobre a magnitude desse ciclo de alta de juros.

Fonte: Bradesco – DEPEC

Categorias
Acontece Dicas Economia Notícias Tendências

REDE INVESTIRÁ EM MAIS DE 10 LOJAS E ESPERA VENDER 7 MILHÕES DE LIVROS

Desde 2019, a Livraria Leitura se consolidou como a maior rede de livrarias do país. No ano passado, mesmo com a chegada da crise sanitária, o plano de expansão foi seguido e ampliado, o investimento foi em torno de R$ 14 milhões.

“Há uma procura muito grande pelos shoppings. Fomos para muitas cidades do interior que tinham uma maior carência em livrarias. O shopping é um espaço de experiência e lazer e as livrarias estão entre as preferências do cliente”, conta o sócio presidente da Livraria Leitura, Marcus Teles. Segundo ele, há uma série de vantagens ao se operar em um shopping, como estacionamento, segurança, ambiente climatizado, variedade de mix, entre outros.

Também destacou os protocolos adotados pelos empreendimentos na retomada: “São lugares seguros, com acesso controlado. As medidas adotadas foram muito importantes para a recuperação e os empreendimentos seguem todos os protocolos impostos para a retomada segura.

VENDAS EM 2020

A queda de 32% na venda de livros da Leitura foi muito semelhante ao índice de -33,2% de setor de shopping centers, conforme os dados divulgados do Censo. “No ano passado, ficou abaixo de 5 milhões de cópias. O maior impacto se deve aos fechamentos e restrições de horários de funcionamento. Para 2021, esperamos chegar aos 7 milhões já que pretendemos atingir 91 operações, um saldo de 11 lojas em relação a 2020”, conta.

OS LIVROS DIGITAIS

Os e-books seguem no patamar de 4% no Brasil e a tendência mundial é que fiquem entre 10% e 20% do mercado nos próximos anos. “Diferentemente de uma notícia, que você lê rápido, não é muito confortável ler em uma tela um livro de 300 ou 500 páginas.” Segundo Teles, 30% das pessoas que compram um e-book adquirem o impresso também, e complementa: “Pegar um livro é muito mais prazeroso. O ser humano precisa de convivência e experimentação. A livraria física é muito mais agradável”.

Categorias
Acontece Economia Notícias Tendências

A ALSHOP apoia o movimento #UNIDOSPELAVACINA

“Um movimento de pessoas do setor privado com espírito público”. Dessa maneira, Duda Sirotsky Melzer, acionista do grupo RBS e fundador da empresa de private equity EB Capital, definiu o movimento Unidos pela Vacina, encabeçado por Luiza Helena Trajano, presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, e que mobiliza empresários e entidades em uma ação conjunta para acelerar a imunização da população brasileira até setembro deste ano.

Em entrevista coletiva realizada nesta terça-feira, 9, Luiza Helena, Duda e a empresária Betania Tanure detalharam as propostas do movimento, que partiu da iniciativa de Luiza Helena. “Estamos cansados desse momento do mundo e sabemos que temos um único inimigo em comum, que é o vírus. O Grupo Mulheres do Brasil (organização criada por Luiza Helena) começou a se mobilizar em torno de um movimento para ajudar o País, mas vimos que sozinhas não daríamos conta e começamos a conversar com outras pessoas, que foram aderindo à proposta”, conta a presidente do conselho do Magalu.

Depois de um mês de conversas com empresários de diferentes setores econômicos e com organizações de diferentes áreas, o movimento tomou corpo. A iniciativa, que se apresenta como apartidária e sem qualquer pretensão financeira, visa ajudar a acelerar o processo de vacinação da população brasileira, atuando em parceria com as esferas federal, estadual e municipal.

Segundo Luiza Helena, o grupo não promoverá compras de vacinas nem tampouco visa criar um plano privado de imunização. A ideia, segundo ela, é auxiliar a logística, distribuição e aplicação de vacinação pela rede pública em todos os estados brasileiros. “O Brasil possui recursos para a compra de vacinas. Se o problema fosse dinheiro, seria até mais fácil de resolver. A nossa proposta é ajudar a resolver os gargalos de logística para que a produção, distribuição e aplicação de vacinas aconteça”, resume a empresária.

Categorias
Acontece Economia Notícias Tendências

Queda dos preços de alimentação levou à desaceleração da inflação na cidade de São Paulo

O IPC-Fipe apresentou alta de 0,23% em fevereiro, arrefecendo em relação ao mês anterior (0,86%). No período, a deflação dos alimentos (principalmente produtos in natura, laticínios e óleo de soja) e da energia elétrica explicou, em maior grau, o decréscimo. Além desses
itens, a moderação das altas de preços de saúde, vestuário e educação –
passado o efeito dos reajustes escolares – também contribuiu para a
desaceleração do indicador agregado, que acumula alta de 6,35% em doze meses.

fonte: DEPEC Bradesco